O REAL MÁGICO DA PINTURA DE RAFAEL MATOS
Rafael Matos tem na Arte sua existência como Sujeito. Ousar dizer isto é ouvir e testemunhar suas reflexões sobre a plenitude do Vazio, sobre a Espiritualidade no Laço Social, sobre os traços universais/divinos na realidade da loucura.  Pincel na mão e ante a tela, a pintura emerge de um sincretismo no ritual entre tela e pincel- “um movimento sagrado”, diz o pintor , afirmando uma origem na Universalidade Subjetiva da Humanidade, origem própria da Ordem Divina e da Natureza.
Desde aí, Rafael tem certeza que todos os seres humanos são potencialmente artistas e talentosos pra construção dos “objetos de arte”. É uma certeza potente que o faz privilegiar os que contemplam um quadro numa Exposição- contemplam um real mágico - e sua assinatura e título em suas obras são adendos atendendo a apelos e imperativos do Laço Social.
Prof. Raldo Bonifácio Costa Filho
Médico Psiquiatra e Psicanalista - Ceramista - RJ - Brasil.